Havia uma casa...
... no alto da montanha mais alta da cidade.
Nós a chamávamos de...
A Casa das Cem Janelas...
... embora o número correto fosse um desses mistérios assustadores que entremeiam os sonhos mais desesperadores de uma criança.


Depois de quase trinta anos, Chico Rezende quis voltar a Bel Parque e prestar contas com seu passado. Talvez pudesse cobrar dele as promessas de uma infância vibrante e feliz, retalhadas a fio de navalha quando seu pai foi acusado de assassinar Adélia Fortes.

Enquanto revive os melhores anos de sua vida, quando ele, Dani do Mato, Mário e o Mamute desbravavam as trilhas e caminhos da serra, deliciavam-se com as descobertas da adolescência nos ingênuos e sonhadores anos 1980, Chico percebe que tudo mudou – e que o passado nunca o esperou. Mas parece querê-lo de volta assim mesmo, embora não da maneira que imaginara.

É a Casa. Alguma coisa aconteceu lá. Alguma coisa sempre aconteceu, mas nunca se revelou, escondida nos cantos velhos e escuros, fermentando na dor e no medo que impregnaram as paredes e o chão daquele lugar.

As pistas que seu velho amigo Mário deixou antes de desaparecer encontram-se com lembranças empoeiradas, cruzam-se com as histórias de outras pessoas que parecem atraídas para a cidade como anjos hipnotizados pelo abismo. E todas as linhas sugerem convergir para o Solar dos Fortes,
a Casa das Cem Janelas.

Dispositivos Casa.png

Leia abaixo a primeira parte do prólogo

Dê uma espiada em algumas das resenhas de
Relicário da maldade
pela Web.

É só clicar num dos links dos sites abaixo:

Banner estante Diagonal.jpg

Vamos conversar um pouco?

Nos textos do Blog estão minhas impressões sobre livros, filmes, séries, ferramentas de criação de histórias...

Deixe lá sua opinião sobre o post da vez e vamos dividir livros e histórias com todo mundo!

Noites de tempestade
e outros contos

Que tal conhecer alguns contos e áudio-contos gratuitamente?

Confira as duas sessões para ter acesso aos contos mais recentes tanto da coletânea Noites de tempestade quanto a novos contos, sempre que forem publicados.

Pompílio_-_capa_audioconto.jpg

© 2020 Jefferson Sarmento