• Jefferson Sarmento

O Conde Drácula

(Nachts, wenn Dracula erwacht- 1970)

Em 1970 foram lançados nada menos que três filmes com Christopher Lee vivendo o famigerado personagem de Bram Stoker, dois deles pela Hammer (Taste the Blood of Dracula e Scars of Dracula) e esta produção “pobre mas limpinha”, multinacional (Espanha, Alemanha Ocidental, Itália e Liechtenstein), dirigida pelo espanhol Jesús Franco Manera, prolixo pupilo de grandes cineastas como Orson Welles e Juan Antonio Bardem. Jesús Franco, porém, dirigiu de tudo na vida, incluindo filmes pornôs, notabilizando-se pelo que a crítica passou a chamar de cinema “horrótico” – o horror erótico.

Pois nesta adaptação não existe sinal de erotismo ou nudez, notabilizando-se por três elementos que ficam claros como o as noites filmadas de dia nos filmes de terror nas décadas de 1960 e 1970:


1) é uma das adaptações mais fiéis ao livro de Bram Storker – o que não quer dizer que é exatamente fiel;


2) o baixo orçamento gerou defeitos especiais piores que os morcegos toscos da produtora inglesa Hammer;


3) o bigodão espanhol de Christopher Lee! O que é aquilo?!?!


A história clássica começa com Jonathan Harker seguindo para a Transilvânia para atender o conde em seus interesses por terras em Londres. Deixado para morrer, o noivo de Mina escapa dos horrores do castelo. Na Inglaterra, Drácula começa seu reinado de horror atacando Lucy Westera, amiga da noiva de Jonathan. E começa a caçada liderada pelo Dr. Van Helsing - que aqui é o dono da clínica onde Jonathan ficou internado e onde está também o famigerado Reinfield, vivido por Klaus Kinski, que entra mudo e sai calado, fazendo caras de maluco (ou seja, sua expressão natural). O personagem vivido pelo pai feioso da lindíssima Nastassja Kinski, sinceramente, não diz a que veio nesta fita. Aliás, o Van Helsing dessa tosqueira também não diz o que está fazendo ali: é o dono de uma clínica de malucos que só tem dois pacientes, é um caçador de vampiros estudante de ocultismo que... não sabe nada e não caça nada. Parece um enfeite de plástico plantado num jarro.


Bom mesmo está Christopher Lee, atuando num texto melhor que os dos filmes da Hammer. Mesmo assim, ainda faz suas caras e olhos uma ou outra vez e o conjunto da fita é uma bomba.


ELENCO

Christopher Lee - Dracula

Klaus Kinski - Reinfierd

Herbert Lom - Van Helsing

Maria Rohm - Mina

Fred Williams - Jonathan

Soledad Miranda - Lucy

Paul Muller - Seward

Jack Taylor - Quincey



4 visualizações

© 2020 Jefferson Sarmento