Trampo duro:

Sozinho na estação

Trampo Duro: Sozinho na Estação foi originalmente publicado no blog EstaçãoBM em 10 capítulos, no fim de 2011. Foi na verdade uma tentativa de escrever uma série à medida que a história ia sendo publicada. Particularmente, gostei do resultado.

Antes de ler a história de Erik e Pattie, é preciso que entenda apenas uma coisa: Trampo Duro é um folhetim noir com todos os possíveis clichês do gênero. Embora o personagem principal não seja oficialmente um detetive particular, como o Sam Spade de Dashiell Hammett ou o Philip Marlowe de Raymond Chandler, os elementos principais estão lá: o cinismo, a canastrice entre o cômico e o violento, o ar durão com que o herói encara os problemas, o amor perdido, a investigação que o leva de ambientes grã-finos a pardieiros perigosos... Quase dá para imaginar que você lerá as cenas em preto e branco.

 

Mas não se engane, Trampo Duro não se leva a sério. É um história para se ler com um quê de cinismo também. É por pura diversão.

No fim, é tudo uma grande homenagem ao gênero e ao ator que melhor o interpretou: Humphrey Bogart. E a Casablanca, o melhor filme da história do cinema. Pense em Erik como um novo Rick e Pattie como a apaixonada Ilsa com uma arma na mão, tentando arrancar dele a salvação para o marido.

 

Ah, sim, claro... pense também na história de Eric Clapton e Pattie Boyd quando estiver lendo. Os nomes e apelidos dos personagens foram tirados (cinicamente?) da história do grande músico inglês.

Ouça a música e o audioconto abaixo

© 2020 Jefferson Sarmento